14 de jan de 2019

Quem somos?


Quanto de nós, somos nós? Quanto do muito que se impregnou em nossa cerne é o que a sociedade nos fez? Gostamos mesmo de determinada coisa ou fomos, todos, condicionados a isso? Por que julgamos o diferente de forma tão dura? Será porque o diferente sabe quem é, e tem coragem de ser? Enquanto nós seguimos o curso do rio. 
 Quem somos nós que repetimos as mesmas abominações dos nossos antepassados? Se eu pudesse escolher ser qualquer outra pessoa, eu seria eu, mas uma versão de mim mais corajosa para se impor e dizer que não haveria nada de errado em ser quem sou. Mas sou de mim a versão mais covarde, aquela que anda nos caminhos já traçados, aquela que em rota de vazio, segue.
 Vez ou outra, vejo pássaros aprendendo a voar e se rebelando. Eles voam por onde querem.  Alguns são capturados. Outros voam para a imensidão do céu. E eu os aplaudo, enquanto minha alma voa silenciosamente, invertendo infinitos.

#UmTextoPorDia
#365Dias&Palavras


0 comentários:

Postar um comentário

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados