14 de ago de 2016

Sou estranha


Passei tanto tempo sozinha que aprendi a apreciar a solidão. Gosto do silêncio. Da noite fria e estrelada. E sou, muito da menina que fui... 
Eu ainda escrevo nas escadas. Ainda tenho medo. Ainda tenho sonhos. Acredito no poder de um abraço apertado, em uma canção cantada baixinho, em um colo tão aconchegante que é ninho. Eu ainda tenho fé de que nada é por acaso. E de que somos melhores que isso.
E sou estranha...
Porque ainda acredito nas pessoas e me envolvo. Porque ainda abro o coração e me magoo. Porque eu ainda choro quando estou triste ao invés de começar a tomar rivotril. E eu ainda escrevo cartas ao invés de mandar e-mails. Ainda uso as roupas que acho bonitas e não as da moda. Eu ainda tenho um blog e ainda escrevo nele apesar de poucas pessoas lerem.
E sou estranha...
Porque não vejo as pessoas como meras peças sociais. E não acho que as regras sociais foram esculpidas em eterna inercia. O amor traça a sua rota e constrói suas pontes e estradas.
E sou estranha...
Porque quando as coisas estão muito muito ruins eu fecho os olhos e durmo. E quando acordo tenho esperança, de apesar de tudo, o mundo  ser um bom lugar pra se viver.
E sou estranha...
Porque sinto as coisas tão intensamente que as vezes dói mais que dor física. (alguns chamam isso de drama). Ser dramática me faz ser totalmente inapropriada para esse mundo. Sei que um dia meu tempo nessa Terra terá se esvaído. E é uma pena que por ser diferente nem sempre eu seja aceita. Todavia, eu vejo as pessoas, consigo aceita-las e mesmo sem entender, ama-las.
Esse é o mundo em que vivemos, pessoas devem ser práticas. Inteiras. Uniformes. Seguras. Sempre felizes. Ter um dom. E eu não sou nada disso... Sou um mosaico de gente, cujo o único dom é saber que não me encaixo nas expectativas alheias.


0 comentários:

Postar um comentário

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados