1 de abr de 2014

Resenha: A garota que tinha medo


Título: A garota que tinha medo
Autor: Breno Melo
Páginas: 252
Editora: Eschoba
Avaliação: 3 estrelas 


Sinopse:
Diagnosticada com a síndrome do pânico, tudo o que Marina deseja é encontrar um lugar confortável neste mundo. Numa narrativa em primeira pessoa, detalhada e realista, Marina nos expõe sua vida amorosa e sexual, universitária e profissional, religiosa e familiar. Psiquiatras e psicólogos fazem os papéis de heróis neste livro tão impactante quanto revelador, que tem suas partes de amizade e amor ao próximo. Como não se emocionar com Péqui ou não se apegar ao veterano de guerra que cuida de Marina? A agorafobia é outro tema abordado de maneira tocante nestas memórias. Um drama original, escri- to em linguagem incrivelmente acessível, para quem deseja conhecer a síndrome do pânico, seus possíveis desdobramentos em nossas vidas e aqueles tratamentos mais famosos. Um romance moderníssimo, humano e esclarecedor.

Narrado em primeira pessoa, A garota que tinha medo conta a história de Marina, uma garota de 17 anos que passa pela pressão, constante, de sua mãe para ser aprovada em um vestibular, qualquer que seja ele, além de todas as mudanças que essa transição lhe causa. Após ser aprovada na UCA para o curso de jornalismo e começar a namorar Júlio, parecia que tudo estava se acalmando e que finalmente Marina iria se equilibrar, mas é nesse momento que ela passa a sofrer com crises de pânico.

“Alguém programou minhas esperanças no “Modo negativo” em vez de programa-las no “modo positivo”. Eu receio o que acontecerá no minuto seguinte.”

Os transtornos psicológicos têm atingido de forma massiva o mundo Ocidental. Talvez o ritmo do nosso dia a dia, a violência ou mesmo nossa filosofia de vida acabam corroborando isso. O livro é bastante interessante possuindo conhecimentos filosóficos, teológicos e lançando uma pequena luz acerca desse problema, que atualmente afeta boa parte da população mundial.


“Você não sabe nada sobre a síndrome do pânico? À parte todo o seu desconhecimento, tenha ao menos um bom coração. Esse já é metade do conhecimento de que você precisa. A bem dizer, sem amor todo o seu conhecimento sobre a síndrome se torna inútil”.

Outros aspectos tornaram o livro intrigante, como o fato de Marina ser Paraguaia e a história toda se passar no Paraguai. O autor imprimiu uma veracidade nos relatos da protagonista, que me fez rever a nacionalidade do auto, para ter certeza de que ele era mesmo brasileiro. Talvez ele tenha morado um bom tempo no Paraguai, pois fala com muita propriedade.
Com o livro conheci bem mais sobre o Paraguai, país que muitas vezes é visto pejorativamente, quantas vezes não ouvi o termo: “Será que é do Paraguai?” Imprimindo uma ideia de algo falso, não verdadeiro. Quando na verdade é um país de uma cultura rica, que sofreu muito com a Guerra do Paraguai (A Grande Guerra).
Foi interessante ver como o preconceito com pessoas que tem algum distúrbio mental foi abordado. Com namorado Júlio, que passa a vê-la com outros olhos, depois das crise, por exemplo. Deu para perceber como é difícil a vida das pessoas que sofrem com esse problema. Não gosto de afirmar que seja um problema de saúde, porque em psicologia não definimos pessoas por saudáveis ou doentes. A questão da normalidade é tão utópica, quanto a crença de uma felicidade absoluta.

“Ainda sobre Júlio, confesso que é mais fácil lhe querer bem agora, que já vou me esquecendo dele. E tenho que agradecer a quem inventou o esquecimento, mesmo que seja um esquecimento gradual e incompleto.”

Houve momentos em que o livro me emocionou, um deles foi com respeito a uma das amigas de Marina. Mas senti falta de um respiro, de outro ponto de vista, de outro olhar. O tempo todo, a história é contada por Marina e, ao mesmo tempo em que é incrível, entender suas angustias e sentimentos, há momentos em que senti curiosidade para saber o que outras pessoas, o irmão dela, por exemplo, estava sentindo a respeito de tudo aquilo.
Alguns pontos me aborreceram, como a religiosidade, exacerbada de Marina, defensora do catolicismo de forma quase arbitrária, há momentos no livro em que ela acusa o protestantismo apontando erros, chamando-o até de seita e tendo um pensamento preconceituoso, apesar da protagonista afirmar já ter sido protestante quando criança.
Acho válido que ela tivesse a religião que fosse, mas o empenho empregado pelo autor para defender suas ideias é bastante exagerado, citando filósofos e um conhecimento teológico que eu não veria uma menina de 17 anos carregando. Não uma que em um momento do livro chega a indagar se “O Rio ainda é a capital do Brasil?” É como se estivéssemos falando de uma estudante de jornalismo que muito sabe sobre teologia e filosofia, mas nada sabe sobre geografia e atualidade.
Outro ponto que me incomodou foi como foi abordado o problema com drogas, achei que isso deveria ter sido mais explorado. Fiquei com vontade de entender melhor o que aconteceu com alguns personagens que enveredaram por esse caminho. Sabemos que não é simples deixar a cocaína.
Mas entendi perfeitamente que o autor quis focar no problema de Marina que por si só já é doloroso e complexo. E achei que ele fez isso bem. A Síndrome do Panico é um tema muito estudado ultimamente, mas não romanceado. E ler um livro que conta essa história de forma tão próxima da realidade foi enriquecedor, como estudante de psicologia e também de jornalismo.  Achei corajoso e ousado do autor escrever um livro sobre esse tema. É um livro interessante e recomendo para quem quer entender um pouco mais sobre como se sentem as pessoas que sofrem de Síndrome do Pânico. Leiam.


“Quem supera seus medos é mais corajoso que aquele que nunca os teve ou jamais os enfrentou.”

22 comentários:

  1. Oiee Lili =)
    EU gostei dessa capa, gostei mesmo, e fiquei instigada em ler o livro.
    E como falou é um tema incomum de ser lido, espero ter a oportunidade de ler um dia,.
    Beliscões da Máh ♥
    Blog |Instagram |Twitter

    ResponderExcluir
  2. Olá Juliana
    Tudo bem.
    Acabei de ler o seu texto no cantinho da Mah e gostei muito rs
    O primeiro de abril sempre rende muitas histórias não é?

    Gostei muito da Capa do livro, sei que não devo julgar o livro pela capa, mas ao ler o texto vi que é uma história comovente e que nos ajuda a entender melhor a síndrome do pânico e de como é difícil lidar com ela.

    Bjsss
    Blog Fernu Fala II

    ResponderExcluir
  3. Muito bacana a sua resenha, fiquei interessada em ler o livro por alguns aspectos... me chamou bastante atenção, adorei!
    Muito bom o blog e já estou seguindo.
    Se puder dar uma olhadinha no meu blog e falar o que acha ficarei grata: http://feitadepalavras.blogspot.com.br/ =]

    ResponderExcluir
  4. Embora a nota baixa, Juliana, eu gostei bastante do livro. Questão de pânico, síndromes não são brincadeiras. E a forma como foi retratada me chamou bastante a atenção.
    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso Top Comentarista

    ResponderExcluir
  5. Boa noite :)
    Como vai?

    Gostei da tua resenha :)
    E olha,nem conhecia este livro :O
    Mas achei um assunto interessante para se ler...

    Beijos e se cuida
    Rimas Do Preto

    ResponderExcluir
  6. Nossa!! Que livro complexo!!
    Cheio de assuntos... Não conhecia, vou indicar pra uma pessoa aqui, que é psicóloga e curte muito livros com essa temática!

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nossa, não me interessei muito pelo livro inicialmente, mas essas quotes estão sensacionais :O

    Beijinhos
    http://www.interacaoliteraria.com/

    ResponderExcluir
  8. Me interessei bastante. Não são poucas as pessoas que conheço que sofrem algum distúrbio emocional proveniente das dificuldades que enfrentamos nos dias de hoje.

    www.corujicesnomundo.com.br

    ResponderExcluir
  9. Excelente resenha, Juh! Gostei da forma como contou o livro e expôs suas dúvidas a respeito da história e do autor. Um belo trabalho!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Fiquei interessada nesse livro, só pela resenha já deu para sentir a carga emocional do livro. Mesmo a protagonista sendo contraditória, como você disse ela entende muito de teologia e filosofia mas deixa a desejar em geografia e atualidade, acho que vale a pena ler e conhecer um pouco mais desse problema.

    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oie Juh
    não conhecia o livro, mas já li uma obra que abordava a síndrome do pânico após um trauma sofrido pela protagonista, e não gostei muito.
    Gosto de narrativas intercaladas por este motivo: às vezes a visão de um único personagem acaba se tornando cansativa e limitada.
    Apesar desse detalhe, fiquei bem curiosa a respeito do livro. Vou colocar na listinha de desejados no skoob.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  12. Adorei a sua resenha, bem clara e detalhada!
    Fiquei até com vontade de ler esse livro!
    Beijos
    Blog Amamos Maquiagem! | Fan Page!

    ResponderExcluir
  13. Hey
    Que linda essa capa, ainda não conhecia o livro.
    Acho que essa parte da religião me incomodaria também, não gosto muito quando forçam tanto assim.

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bom?
    Vi o link daqui no blog da sua amiga que vc postou ^^
    Parece ser um livro impactante e realista :/
    Já estou te seguindo!
    | Blog Espinha Punk ! | Facebook | Twitter | Instagram |

    ResponderExcluir
  15. Achei essa resenha super interessante! Meu irmão foi diagnosticado com Síndrome do Pânico (leve) e muitas das coisas que se passam nesse livro são, vamos dizer, muito mais exageradas do que acontece com o meu irmão, por exemplo. Mas sei que há pessoas que realmente passam por situações BEM complicadas e é sempre bom e interessante conhecer outros lados de uma história semelhante. Além do mais, adorei a capa do livro, me chamou a atenção. Não devemos julgar um livro pela capa, mas temos que admitir que a capa sempre ajuda ;) Beijos, adorei o blog! <3

    www.belleaventuriere.blogspot.com
    www.youtube.com/booitsbia

    ResponderExcluir
  16. Oi, ainda não conhecia o livro, mas pela sua resenha fiquei muito interessada nele. O tema abordado é muito interessante, acho que nunca li esse tema em nenhum livro. Sou evangélica, mas geralmente não leio livros que falem de religião, exatamente por causa disso que você disse na resenha, as vezes o autor quer impor algo para os leitores.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  17. Oi LILI cheguei tudo bem!
    Um livro assim tem uma leitura bem densa, ainda que é um tema bem complicado,
    síndrome do panica incapacita a pessoa de viver, mas como vc disse o autor tinha
    que explorar mais né... Anotei aqui para ler depois!
    bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  18. Oie, tudo bom?
    É a segunda resenha que leio desse livro e acho importante narrativas que abordam essa doença. Não sabia que a história envolvia religião também, mas não me incomodo que tenha na narrativa. É um livro que deve ser lido com ressalvas, pois te muitos pontos duvidosos.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi, Flor, tudo bem?
    Gostei muito da proposta do livro. Começa com algo "simples" e depois quando se percebe, é algo bem maior do que esperamos. Não achei que o livro guardasse tudo isso e ainda trouxesse todo esse aprendizado a nós leitores. Acho que sempre irá existir esse equilíbrio entre o amor e o ódio em certos momentos da leitura, mas querendo ou não, isso que acaba fazendo um livro ser tão bom.
    Enquanto lia sua resenha, cheguei a me perguntar se não seria baseada em uma história real, pois o autor foi extremamente feliz quanto a escolha do que seu livro trataria. Ele já está na minha lista e quero muito ler e espero que ele abra meus olhos, tanto quanto abriu os seus. Obrigada pela dica <3

    Beijinhos,
    Percepções Blog

    ResponderExcluir
  20. Oie, ju!

    Eu não conhecia o autor, mas achei muito interessante o fato dele ter construído a história no Paraguai e ter conseguido trabalhar bem a síndrome do pânico, pena alguns detalhes terem ficados soltos.
    Letras & Versos

    ResponderExcluir
  21. Ainda não tinha ouvido falar desse livro, mas adorei. Quero comprar.
    http://mariihpaiva.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Oi adorei sua resenha...mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem..busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados