24 de mar de 2014

Resenha: Azar o seu!




Título: Azar o seu
Autor: Carol Sabar
Páginas: 368
Editora: Jangada
Avaliação: 5 estrelas /Favorito

Sinopse:
Bia está parada num engarrafamento no Rio de Janeiro, pensando em sua vida azarada. Sem emprego, atolada em dívidas, ela não imagina que está prestes a viver a grande coincidência da sua vida. O motorista do carro ao lado está buzinando, tentando se comunicar com ela, como se fosse um velho conhecido... E ele é! Mas Bia não o reconhece. E como poderia? Ele é um homem, não mais o garoto de dez anos atrás. Está mais encorpado, cortou o cabelo, livrou-se do aparelho nos dentes e das espinhas do rosto, está tão diferente, tão lindo... O motorista sai do carro, mas não tem tempo de se explicar, pois começa um violento tiroteio e eles têm que se jogar lado a lado no asfalto. Certa de que está prestes a morrer, Bia entra em desespero e se prepara para dizer suas últimas palavras, na esperança de que o suposto desconhecido deitado ao seu lado possa levar um recado a Guga, seu amor da adolescência, sem perceber que é ele próprio que está ali, ouvindo a inesperada declaração de amor! Os dois escapam juntos do tiroteio e, a partir daí, começam a se envolver, dia após dia... Guga, sem coragem de assumir sua verdadeira identidade. Bia, fascinada por ele e feliz consigo mesma por finalmente estar se apaixonando por alguém que não é Guga... Azar o seu! vai além de uma comédia romântica. É uma reflexão sobre a importância da amizade verdadeira, do perdão e do autoconhecimento, que nos resgata o poder de decidir sem medo e de reverter escolhas que nos impedem de ser feliz. 

Olá lindos e lindas. Eu tô tão apaixonada por esse livro, que queria casar e ter filhos com ele! É cativante. Bonito. Divertido!!! (Por que os homens não podem ser assim, afinal?) Ri alto, em um momento em que tudo que eu precisava, e queria, era achar algum motivo pra rir, como vocês sabem, perdi um de meus melhores amigos há pouco tempo.
"Azar o seu!" conta a história de Bia uma garota de 25 anos, bem comum, que parece está em uma maré de azar constante. Perdeu o emprego, foi acusada injustamente, teve um dos piores encontros que uma garota poderia ter em um cemitério (What?) e fica com o carro preso em um engarrafamento no Rio de Janeiro. É nesse engarrafamento que um motorista tenta falar com ela como se já a conhecesse, mas ela não o reconhece. Deveria... Deveria mesmo. No início do livro a autora até cita um trecho da musica do Barão vermelho:

  “E quando eu te encontrar, meu grande amor, por favor me reconheça”


Começa um tiroteio e desesperada Bia sai do carro. O outro motorista também sai e a empurra para debaixo do veículo. Bia achando que se trata de um amparador espiritual que veio pra lhe ajudar a fazer “a passagem” antes de morrer (Rá!), desanda a falar coisas da vida e do seu único amor. Pede para o “amparador” levar o recado até Guga, dizer que sempre o amou, que nunca o esqueceu.  Ele até tenta interromper seus desabafos, mas Bia não deixa.

“- Explosão sexual do prazer?
- É – eu disse. Aquela de que falam os romances das bancas, as novelas, os filmes como o Titanic, quando o Jack brinca de chofer e pergunta ‘Para onde senhorita?’ e a Rose responde ‘Para as estrelas’, e depois desliza a mãozinha pelo vidro suado do carro! Eu nunca deslizei a minha mãozinha pelo vidro suado de um carro, a não ser para desembaçar o para-brisa!”

Ela precisa falar daquele garoto, o irmão de sua melhor amiga Raíssa, seu amigo também já que sempre estava lá por ela. Precisa dizer que nunca sentiu nada parecido na vida, falar daquele primeiro beijo, o único que valeu a pena pra ela... Precisa dizer que ficou de coração partido quando ele foi embora há 10anos e mais ainda quando depois de tanto tempo ele não mandou sequer um postal pra ela. E o “estranho” ouve tudo. Quando os dois saem do tiroteio ele pede para levá-la para casa e começa a jogar todo o charme que tem pra Bia. Ela fica balançada. E até feliz. Quem sabe esse não é o cara que vai fazer com que esqueça o primeiro amor de sua vida? 


-Deve ser a bateria.
-Não -contestei. - Deve ser a minha maré de azar. Deve, não, é! E você está comigo, portanto, azar o seu!

Agora diga se isso é sorte ou azar: passar a vida toda apaixonada por um garoto e quando se apaixonar novamente por um desconhecido o desconhecido ser o mesmo cara que você sempre amou!? E você não o reconhece!!! (O Cara tá lindo demais!)  Há um momento em que Bia quer saber qual o nome do "estranho" e ele diz que nomes não tem importâncias, nomes estragariam o clima. Então sugere que ela a chame de “Cara”. E assim ela vai se encantando cada vez mais pelo Cara, sem saber seu nome, pensando estar esquecendo o Guga e começando algo novo...

"É. Até quando a sorte sorria para mim, sorria com uns dentes faltando."

O romance é o ponto alto do livro, sem dúvida. Mas ele é tão bem escrito, como um quebra cabeça que faz cada peça formar uma imagem agradável. O que eu mais gosto nele é que é um livro possível, eu diria até bem próximo de nós. Um nacional que cita lugares, fatos e coisas ao nosso alcance. Quando Bia fala de coisas da sua infância, eu me vi também assistindo ao programa da Xuxa.  Eu me vi usando aquelas roupas.  Passando pelos mesmos dramas na adolescência. Tendo o mesmo jeito de ver o mundo. E agora "adulta" me sinto tão perdida quanto ela. Essa sensação de não saber quem se é ainda ou se fizemos mesmo as escolhas corretas na vida...

Outro ponto adorável é o lado musical, a autora vai citando trechos de musicas nacionais e internacionais conhecidas nossas, e todas eu realmente amo.

— Você devia dar uma chance a ele!-continuou.- Ele disse que vai descobrir quais são as coisas e as cores para te prender. Isso é Herbert Vianna, não é?
- Isso é um pesadelo!

Ela também cita alguns trechos de grandes escritores, no meio do texto. E como sou uma apaixonada por poesia  fiquei grata por isso.

- A nossa história é “mais bonita que a de Robinson Crusoé”.

-Seu traidor! -Dei outro soco. - Como você tem coragem... - Outro soco. - ...de usar...- Mais um. — ...o verso do Drummond em vão?

É um texto tão gostoso de ler que dá uma pena quando acaba. Fica uma saudade dos personagens, da história e escrita. Eu queria conhecer cada um, queria fazer amizade com eles e tê-los perto de mim. Ouvir o Guga tocando violão, rir com a Raíssa, sentar na mesa de jantar ouvindo os conselhos do pai da Bia...
- Me solta, Guga! - pedi, estremecendo. - E não me procure mais.
- Vou tentar de tudo, menos desistir.

Leiam esse livro, por favor! É um tesourinho e estou apaixonada por ele. É um de meus favoritos agora. Acredito que seja porque "Azar o seu!" , fala de amizade do jeito que eu acredito que seja. Amizade verdadeira construída com confiança e dedicação. Amizade que não acaba com o tempo ou distância. Um bom amigo é como família, brigamos com ele e até juramos nunca mais lhes dirigir a palavra, mas se precisam de nós ou se precisamos deles, sempre voltam.
Vamos ser realistas, vivemos em um mundo em que essas coisas não são mais valorizadas, tudo foi banalizado e imediatizado.  Mas se há algo que eu ainda acredito é que a única coisa que realmente temos na vida, e que vale a pena conservar, são nossos laços e afetos. Seja com nossa família, amigos ou amor.

"A sua sorte é que eu sempre soube"

Sim, e talvez eu seja só mais uma menina boba. Mas deixa assim... Deixa assim.





6 comentários:

  1. Ela se reapaixona?? rsrs
    Adorei isso!!!
    Resenha impecável! Quero muito este livro. Tá na lista da Bienal!!!

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju *_*
    Estou doida pra ler esse livro desde o ano passado e não rolou. Mas parece tão mágico e ele ser engraçado já é um ponto alto para mim. Todo mundo fala tão bem dos livros da Carol, queria ler o livro do Pattinson por motivos óbvios.
    Prometo voltar mais vezes!
    Beijos,
    Ju Skwara
    http://julianaskwara.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju,

    Vi seu recadinho e vim aqui ver suas impressões sobre Azar o seu!, eu li esse livro em janeiro, e minha reação foi bem parecida com a sua, eu adorei a história e me apaixonei pela escrita da Carol, com certeza sentimos saudades dos personagens, porque eles são tão reais, eu ri muito com esse livro, e a cena do tiroteio e suspirei horrores com o romance.
    Amei sua resenha!

    Bjks

    Patty Santos - Blog Coração de Tinta
    http://coracaodetinta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ju!

    Gente que situação! Já pensou se apaixonar pelo mesmo cara que deu um fora? Achei muito interessante a história do livro, e sua resenha me deixou muito animada, acho que vou dar muitas risadas e me apaixonar por esta história.

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  5. Que resenha linda Lili!!!

    Cada vez que leio sobre "Azar o seu!" fico com mais vontade de ter o livro!
    Adorooooo livros que citam coisas reais para nós!
    Lugares, musicas, pessoas...
    Parece que a gente acaba pegando mais amor ao personagem!

    Li um que se chama "O Vale dos Mortos". É nacional. Lá ele cita várias cidades do Vale do Paraíba. Fora os lugares que eu já fui como o Shopping Colinas! Me senti dentro do livro, vendo cada detalhe! \o/

    Bem que o sub poderia colocar os livros da Jangada em promoção não é?!
    hehehe

    Beijokinhas da Giii
    http://aestranhaestantedagi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Lili =)
    concordo com todas as palavras ditas, li e amei o livro, fui ao estremo da lagrimas aos risos.
    ( momento inveja) conheci a escritora na Bienal, conversei com ela, flash, bottons, efinm ~~ ela é linda demais e um amor.

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados