30 de jul de 2013

Resenha: A ideia

Um livro pra pensar, sonhar e se emocionar! Confesso que ainda estou meio perdida após as ultimas palavras que li. E poderia sim, esperar a cabeça está mais no lugar para escrever a resenha, mas resolvi fazer enquanto o coração ainda está acelerado e o meu rosto molhado de lágrimas.

Sinopse:

Um homem, no limite do sofrimento, decide compartilhar sua jornada e escreve a mais sincera declaração de amor. Dessa forma, ele leva até você, leitor, a trajetória vívida de uma paixão que, sem imaginar, mudaria sua forma de ver a vida. Beatrice Dumont, 23 anos, estava habituada à mesmice da sua vida, mas percebe, durante uma noite de forte chuva, que aproveitava pouco sua juventude. E tudo parece piorar quando ela se apaixona por Benjamim. Porém, ela nem imagina o que a espera... Sem achar uma luz no fim do túnel, sente a necessidade de dar um passo em direção à mudança de vida. Mas o que ela parecia ter esquecido é que a felicidade, muitas vezes, pode trazer consigo perdas irreparáveis, principalmente quando os laços afetivos com as pessoas que amamos são muito fortes. A Ideia não é uma história de um amor perfeito, no qual o universo conspira a favor. É uma história de luta pelo amor, quando tudo parece estar contra. Fala da vida em sua brevidade, sem deixar de lado os instantes que fazem dela algo eterno. 

A Ideia
Lucas Chagas
Edição: 1
Editora: Novo Século
Ano: 2012
Páginas: 424





A Ideia é a história de um homem que amou tanto uma mulher que resolveu eterniza-la em palavras. Essa jovem mulher é Beatrice Dumont, estudante de letras que adorava escrever poemas e ler. Órfã, foi criada pela tia, uma mulher meio amarga, seria demais. Beatrice achava que sua vida era uma página interminável em branco, em que nada acontecia. Isso até que o amor aconteceu. Quem já se apaixonou e amou, sabe que sentimos a vida ganhar todas as cores e significado naquele momento. Será que uma vida valeria por alguns momentos de extrema felicidade?
Lucas Chagas é um talento. É o que posso dizer. As citações de abertura do livro são lindas: um trecho de O Fabuloso Destino de Amelie Poulain, que eu ainda não assisti, mas me sinto cada vez mais obrigada (já foi altamente recomendado), e um trecho do livro Cinco minutos, do meu escritor favorito no mundo: José de Alencar.  Por falar no Alencar, senti uma proximidade com seu modo de escrever, o prefácio do livro (lindo demais por sinal!), lembrou tanto meu livro favorito  -Lucíola – que me comovi, confesso! Tenho que colocar um trecho do prefácio:

“Escrever, dessa forma, é uma maneira de deixa-la mais viva e de lhe dizer que dela eu me lembro em cada dia de minha vida.  Um pedido a Deus para que acabe com meu sofrimento; que não cure a ferida, não, não sou mais capaz de pedir isso. Que nos deixe livres, um em terra e outro no céu. Às vezes para escrever é preciso algum sofrimento (...)”

A ousadia do autor começa no prefácio, nele um personagem, médico e professor, nos avisa que vai nos contar uma história de amor, mas de uma maneira peculiar, “a história será narrada na vez dela”.
E é assim. O autor escreve o livro em formato Backward motion e nisso difere muito dos livros que eu já li, porque ao invés do personagem nos falar as suas impressões, o que sentiu, pensou... Ele narra o que a amada pensou e viveu. É como se quem nos contasse a história fosse a Beatrice e ela nos dissesse o que sentia, o que esperava... Por vezes falando conosco. 
Quanto aos personagens são uma riqueza. Beatrice Dumont, personagem central, possui ideias bastante interessantes sobre a vida, o amor e tudo a sua volta. A todo instante é como se ela filosofasse, nos fazendo também pensar.
O Benjamin é um caso a parte, eu o amei , o detestei e amei e amei e amei. Claro que amei profunda e sagradamente o Ben adulto, porque um homem que escreve a sua história de amor lembrando a cor da roupa da amada há 4 anos, merece toda minha adoração.
Os personagens secundários também merecem ser citados aqui, especialmente Brenda amiga de Beatrice. Adorei seu jeito solar de ser.
Depois do prefácio já dá pra saber que algo pode ter acontecido que afastou o casal. Pensei que ela poderia ter ficado doente, ou que pudesse ter ido embora sei lá como, o tempo todo fiquei com a leitura em suspense, esperando que algo acontecesse. O que aconteceu foi que conheci Bia, a Bia que Bem conheceu. Aquela que ele enxergava. E ela ao mesmo tempo que era confusa, melancólica, era também viva e poética.
Confesso que fiquei comovida com a narrativa porque muitas coisas coincidiram com coisas que eu vivi. A primeira vez que se viram ali junto a uma sinuca, o fato da Beatrice escrever o que sentia e pensava, o modo como ela soube quando olhou pra ele que a vida dela tinha mudado pra sempre. Claro que em alguns momentos eu pensei em como o Bem saberia dos pensamentos mais profundos dela, porque por mais que conheçamos e amamos alguém, não há como desvendarmos o que tem mais ao fundo.
Mas até isso eu perdoei nele. É óbvio que o amor que ele sentia lhe garantia as certezas que ele precisava para escrever, se estas certezas eram verdadeiras ou não, não importa. O que importa é que o amor foi descrito em 424 páginas e a saudade ficou marcada no meu coração.
É realmente um livro muito bonito. E enquanto termino essa resenha ainda procuro um lenço pra secar minhas lágrimas. Fiquei com vontade de abraçar o Ben, a Brenda, a Bia... De lhes dizer qualquer coisa boa ou bonita. Quando entrevistei o Lucas (autor do livro) ele me falou que esse livro tinha muito dos seus sentimentos. Então que seja pra ele o meu abraço. Porque eu o entendo. “Semelhante conhece semelhante.” Mas há uma brecha na janela, há uma brecha na janela...

Os  quotes desse livro são um problema eu marquei quase o livro todo!

“Eu me sentia como um livro guardado na estante mais alta.”

“Nossos olhares se encontraram ao mesmo tempo, e ele foi a única coisa que eu vi. Eu não ouvi barulho, nem as pessoas conversando, nem meus amigos, nem a buzina dos carros ao longe. Não senti meus cabelos no rosto que se mexiam por causa do vento. Por cinco segundos, tudo o que eu vi foi ele.”




12 comentários:

  1. Que resenha :D
    Fiquei com vontade de ler, parece ser muito bom

    ResponderExcluir
  2. Olá,querida!
    A resenha ficou muito boa, e o livro é bem interessante. Com toda certeza eu vou lê-lo.
    Bjs!
    http://pocketlibro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Você escreveu muito bem a resenha, é um sinal que gostou do livro.
    Tenho visto muitos elogios dele, nunca vi alguém falar mal na verdade.
    Tenho curiosidade de ler, ainda mais pela forma que descreveu.
    Marcar vários quotes é sinal também de uma ótima narrativa.


    beijos
    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Ju que resenha LINDA, que deixa a gente com gosto de quero mais e vontade de ler o livro =) amei.
    Passando pra ver as novidades.
    Tem uma resenha lá no blog hoje, bjs
    www.sandrinha-falcao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Linda resenha, Juliana, realmente emocionante, ainda mais para o autor! rsrs
    Legal as imagens usadas durante o texto da resenha, bem legal!!

    Obrigado! =)
    Lucas Chagas

    ResponderExcluir
  6. Nossa adorei, parece ser tão fofo o livro, me deu vontade de comprar!!!! Adorei a capa é claro.

    Beijos
    http://www.partesdeumdiario.com/

    ResponderExcluir
  7. Absolutamente encantada com o livro, sua resenha ficou ótima.
    O que seria da vida sem poesia? AMO!!
    Parabéns ao autor!!
    Beijos
    http://literaturaeeu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Ju,parabéns pela divulgação de Autores nacionais,nossa um homem apaixonado que escreve um livro para eternizar seu amor de forma singela e apaixonante,realmente
    um livro emocionante que como mencionado vai nos fazer "pensar,sonhar e emocionar".
    Curti o booktrailer curiosa para ler com certeza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vanessa,

      adoraria responder teus comentários, mas não encontrei o link do teu blog.
      Então desde já quero agradecer tua presença aqui e o carinho.
      Seja bem vinda sempre.

      Bjuuu

      Excluir
  9. Já ouvi alguns comentários sobre o livro e fique bastante curiosa, no entanto, é um livro que não faz muio meu estilo. Mas através da sua resenha, eu fiquei muito curiosa, agora quero lê-lo.
    Bjuss

    ResponderExcluir
  10. Oi, Juliana! Tudo bem?
    É ótimo podermos encontrar livros legais e melhor ainda lermos livros que nos deixem encantadas como "A Ideia" te deixou! Sério, fiquei ainda mais curiosa para ler depois da sua resenha, ele me pareceu ser um livro profundo e bem construído, é incrível o que a literatura nacional pode proporcionar, mesmo sem o seu devido apoio. Parabéns, sua resenha me encantou e o livro já está na minha lista de desejados! Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Ju!

    Já li A Ideia, mas acho que não estava com bons olhos no momento...
    Não gostei da história.
    A Bia era muito chata e muito enrolada...
    Não tinha ação nem emoção nenhuma...
    Só no final que me entusiasmei, mas mesmo assim achei que não teve muito sentido....

    Sua resenha ficou muito bonita viu!
    Agora consigo ver o que li de um ângulo diferente.

    Beijokinhas da Gii
    http://aestranhaestantedagi.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados