21 de nov de 2012

Amizade virtual

Por Juliana Lira
Jefferson Gustavo
Jonas Araujo
Imagem retirada do weheartit
Eles nos apoiam nas dificuldades. Dividem conosco risos, lágrimas e silêncios. Há uma frase que diz que “Amigos são a família que a vida nos permite escolher”. Mas não é só do modo presencial que podemos escolher nossos amigos.  Segundo o IBOPE Nielsen Online, o número de pessoas, no Brasil, com acesso a internet chegou a 67,8 milhões em setembro de 2012. Desse total, 42,1 milhões são usuários ativos. É cada vez maior o número de relacionamentos que se constroem através de um monitor. O advento das redes sociais facilitou ainda mais a criação desses vínculos.  São os chamados amigos virtuais.
Rose Lira

Que o diga Rose Lira, pesquisadora social, 50 anos, que mora em Fortaleza. Há cerca de um ano ela conheceu através do facebook, Fúlvio Ribeiro, supervisor geral de 31 anos que mora em Maringá no Paraná. Ambos possuem blogs literários, nunca se conheceram pessoalmente, mas consideram um ao outro como irmãos. “Tenho pela Rose um carinho enorme, ela assumiu esse papel bem rápido na minha vida. Pra mim ela é parte da minha família mesmo. Chamaria tranquilamente de Irmã”, afirma Fúlvio. Rose contou que ambos conversam sempre sobre suas famílias, sonhos e metas.



 E o melhor é que essa amizade virtual gerou atitudes palpáveis. A Rose Lira trabalha em um projeto que visa melhorar a qualidade de vida de adolescentes e jovens que passam por hemodiálise, na Fundação do Rim em Fortaleza/CE. Um dos desafios é a inserção de tablets no momento da
Criança usando um dos tablets doados
hemodiálise, com o intuito de promover um melhor tempo no momento em que eles estão dializando. Para conseguir esses tablets ela fez uma campanha no facebook. O Fúlvio viu e não só enviou um tablete pelos correios, mas mobilizou algumas pessoas para enviarem também. “Sabe, tem tanta gente mais perto que poderia fazer o mesmo. Mas foi preciso uma amizade ser vivenciada, com pessoas que nem se conhecem pessoalmente para vermos os sorrisos e o prazer da conquista nos olhos daquelas crianças. E o Fúlvio fez”, afirma Rose.



Imagem: Google imagens

 Mas nem todos acham interessante esse tipo de relacionamento. Francisco de Assis, 43 anos, comerciante campinense, acredita que a tecnologia tem contribuído para afastar as pessoas e esfriar relacionamentos do cotidiano. “Não possuo perfis nas redes sociais, nada substitui um amigo real. Essas relações que se formam através da tela de um computador acabam afastando as pessoas das famílias e dos seus verdadeiros amigos. Além do mais, o frio de um monitor jamais substituirá um abraço, um olho no olho”.

Aline Tenório

Aline Tenório, estudante, 21 anos, mora em Campina Grande e concorda em parte, que ter amigos pela internet tem as suas desvantagens. “Sim, tem desvantagens. Por exemplo, esses amigos não vão ao cinema comigo, mas o bom da internet, é que parece que tu encontra todo mundo que gosta das mesmas coisas que tu. E no cotidiano só encontra o oposto. Eu entro numa rede social de filme e faço amizade com alguém que conhece os filmes de que gosto.” Aline é amiga de Maria Martins, 21 anos, estudante que mora em Recife. Elas se conheceram há dois anos através de uma comunidade do Orkut, "fakes amantes de conversa". E logo perceberam que tinham muito em comum. “Desde que a conheci, sempre fomos verdadeiras umas com as outras e isso, de certa forma, contribuiu para nossa amizade permanecer até hoje” disse Maria.
Aline Tenório e a amiga Maria Martins no 1º encontro "real"
E para o problema da distância as duas amigas encontraram a solução, esse ano Maria foi até Campina Grande para conhecer Aline pessoalmente. “Foi lindo. Se eu pudesse ao menos descrever a emoção de vê-la esperando por mim na rodoviária... Lá estava minha querida amiga, de braços abertos, recebendo-me em sua casa. Parecia um sonho, mas na verdade, foi perfeito porque era realidade” contou, Maria.
Sobre o encontro Aline explicou, que por mais que a amizade seja grande o contato presencial fortalece. “É preciso sim, contato presencial. E vamos viver virtualmente eternamente? Não tem graça! Tem que ter abraços, troca de olhares, sorrisos. E aí acontece, como aconteceu comigo. Ela veio pra cá, passou 5 dias e deixou saudade, uma saudade tão grande...”
Se a amizade virtual é tão forte como a real, apenas o tempo poderá dizer, mas o que não podemos negar é que a cada dia mais pessoas se relacionam através de algum aparato tecnológico e isso promete cada vez mais alterar as formas de relacionamento humano.

----------//-----------



Vocês devem está se perguntando quem é Jefferson Gustavo e Jonas Araujo. São dois grandes amigos e estudantes de jornalismo. E este foi um trabalho que fizemos juntos para a disciplina de Técnica de Entrevista e Reportagem, ministrada pela professora Águeda Cabral. Divido aqui com vocês e, sinceramente, espero que gostem.



6 comentários:

  1. Que belo, e que ótimo abordar pontos de vista diferentes...perguntinha: Onde está a foto do famoso Fulvio Ribeiro???..rsrsrsrs
    Parabéns amiga/prima Juliana Lira, só faltou você mencionar que nos tornamos "primas" pelo meio virtual ao descobrirmos que temos em comum o mesmo sobrenome, o mesmo local de nascimento e a mesma paixão por escrever! Te amo linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose!

      Somos mais que amigas, dessas amizades virtuais vc com certeza, mesmo aí, longe em Fortaleza... Tem moradia certa no meu coração.
      Depois que te conheci percebi que todos os Liras são especiais ;) rsrsrs

      P.S: Ainda tô esperando a foto do Fúlvio, mas tinha prazo, tinha que publicar, se não a fessora brigava.

      Excluir
  2. ...Ju querida,

    que matéria mais do que apropriada
    trouxestes aqui, minha linda!!!

    bem sabemos que nada substitui um
    olho no olho, o calor de um abraço,
    um ombro para nos apoiarmos nas
    horas tristes, mas de outro
    lado é tão aconchegante quando
    abrimos nossos blogs, nossos
    emails e encontramos os amigos
    distantes em espaço físico,
    mas tão presentes em nossas
    emoções, em nossos sentimentos,
    em cada riso, em cada lágrima,
    e isso nos faz tão bem.

    encontros de almas afins pode-se
    dar de qqr forma, porque elas
    se reconhecem e se identificam
    não só por contato físico,
    como tbm com o que lhes
    dita o coração em palavras...

    quer coisa mais gostosa do que
    quando abrimos o blog e vemos
    alí os comentários amigos
    e temos a certeza de que
    nunca estamos sós em nossos
    pensamentos e escolhas das
    mensagens que queremos
    passar?

    sem a magia do mundo virtual
    não alcançaríamos pessoas
    em qqr parte do universo
    com esta facilidade, e
    com quantas destas almas
    queridas não nos identificamos
    como se fossemos amigos
    desde sempre.

    na verdade,
    amo meus amigos virtuais como
    se fossem reais, porque eles
    possuem a capacidade de
    alcançar meus sentimentos
    desconhecendo distâncias,
    e isso não tem preço...

    acho que gastei todo o teclado...rs

    bjokas, alma linda!

    amo você!

    Vivi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida encontro de almas Vivian!

      Acredito na amizade, seja ela como for.
      E não gastou o teclado todo não, que quanto mais vc escreve, mais eu te quero ler.

      Milhões de beijos

      Excluir
  3. Adorei! Minha história em uma entrevista! *-*

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados