31 de ago de 2012

Sobre amor, dores e voos...


Conheço manchas que não saem com água e sabão. Tenho arrependimentos permanentes, saudades insanáveis e um mundo inteiro de ausência impossível de ser mensurada. Sei de coração batendo descompassado por fome de olhar certa face. Sei de dor mais doída que corte no dedo. Sei de espinho que fura a alma e rasga mais que acúleo de flor...
Tenho conhecimento de causa de dor de gente. E dor de gente não é menos importante que crise mundial. De verdade? Crise pessoal assusta bem mais! Já tropecei nos meus medos, já cometi desatinos por um sorriso.  Mentira! Cometi desatinos pel(o) sorriso, assim... Com artigo definido. Como era definida minha adoração:  O moço, O sorriso, O canto. Porque no princípio era verbo e o verbo virou sujeito e o sujeito adjetivou tudo.
Conheço de significação. De olhar brilhando e musica. Como uma peça de teatro que nos põe a chorar, rir, emociona e tumultua. Também conheço de fim de peça,  quando caem as cortinas e temos aquele turbilhão dentro de nós pra levar pra casa. É coisa que não cabe dentro da gente. Desse modelo é dor de amor partido. Digo partido. Não acabado. 

Isso que brota dentro da gente e qualifica outro ser. Isso que nos faz querer bem acima até do nosso bem. Isso que simplifica o outro até que ele seja apenas aquele que cabe perfeitamente dentro da nossa alma, mesmo com os defeitos dele... Não morre não. Não morre é nunca!
Mas amor, amor é pássaro alimentado de céu. E quando não lhe é dado céu ele parte inversando o infinito. Voa por lembranças de céu azul, viaja pela saudade, pousa no que lhe foi tirado. E fica ali, nesse lugar apertado. Causando uma dor danada a um coração imenso. Com tanto espaço, ele teima de se enfiar no lugarzinho mais secreto, que é pra gente não saber por que dói.
“Por que dói se o amor morreu?” “Por que dói se já foi embora?” “Por que dói se acabou?”
Dói porque tá guardado.
E eu de pensamento simples, porém incompreendido. Penso nos meus arrependimentos: Um beijo que não foi dado. Um encontro que não aconteceu.  Uma canção não cantada...  Das coisas que fiz por amor, por mais loucas que tenham sido, não tenho arrependimento. Fiz pelo pássaro! Quis lhe dar o infinito pra que povoasse minha alma inteira. E povoou! Pena não ter recebido o mesmo céu.
Às vezes me apercebo de certa dor me apertando toda. Procuro no corpo razões de ser e não encontro. Sabe sapato apertado que causa calo? Pois é assim. Percebo minha alma aos calos. Quando finalmente me pergunto o porquê desse desassossego sofrido, ouço um bater de asas, vejo um voo modesto.  O amor me mostrando que mesmo fingindo que ele não existe, está ali! Então quando eu o olho, volta pro seu canto guardado e partido.

Tenho manchas que não saem com água e sabão (Graças a Deus!), tenho saudades, fomes e dores. Mas arrepender não me arrependo não. E ainda que me arrependesse, digo sem titubear:
Quem dera todo meu arrependimento nessa vida fosse por amor e amar!...

7 comentários:

  1. Juliana,
    temos manchas em comum,
    daquelas simplesmente, impossíveis de remover.
    Lindo post !

    Um beijo !
    Um excelente fim de semana.
    Jhosy
    http://meninamsicaeflor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. achei o seu texto muito, muito bom. um dos melhores que já li.
    daqueles que a gente queria ter escrito.
    nem sei bem o que comentar... rs

    ResponderExcluir
  3. Lindo! Pode disponibilizar pra eu compartilhar no meu blog ?

    ResponderExcluir
  4. Olá, Juliana!!!
    Sua inscrição já está guardada, muito obrigada por participar do DSM Awards!!! Aguarde o resultado no dia 31/12/12 e fique atenta para as outras categorias que ainda surgirão!!!

    Mil Sweetkisses e muito sucesso ♥

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que texto lindo!
    vc escreve muito bem!
    Adorei o blog e serei visita constante por aqui agora
    bjos

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados