15 de jun de 2012

Trancada...




[...]

- Está bem... Não foi grande coisa. Não estou morrendo... – Olhou para ele tristemente - Eu só tive uma sucessão de decepções. Fui abandonada e esquecida por muitas pessoas na vida. Amei um homem, então fui traída, traída de novo, traída mais uma vez.
-Pelo mesmo homem?
-Uhum...
-Poxa! E você não tem amor próprio? Ou gosta de se machucar assim?
 Ela se afastou aborrecida e ia se levantar, quando ele a segurou pelo pulso e a aproximou novamente.
 - Calma. Desculpe, eu não devia ter dito isso. Por favor, me desculpe.
- Tudo bem. – Começou a desenhar na areia, enquanto continuava sua história. - Eu tinha amor próprio, mas havia tanta coisa envolvida. Tantas pessoas. Tantos olhos voltados para “nossa perfeição”. Eu só não queria decepcionar ninguém. Mas eu o deixei. Depois de um tempo eu o deixei e resolvi dá uma nova chance para o amor. Queria muito me apaixonar de novo.
- Bom. E se apaixonou?
Ela passou um tempo em silêncio  olhando o mar.
-Sim. Eu me apaixonei de novo.
- Isso é bom. Não é bom?
-Foi muito bom. Foi uma paixão diferente de tudo. Não era como uma estrada perfeita de se caminhar. Tinha curvas. Tinha buracos e abismos. Era como se tivéssemos que construir o chão por onde íamos caminhar a cada dia. Usávamos o que tínhamos para unir nossos passos. Nós sonhávamos...  Parecia errado que tentássemos tanto ficar juntos quando não existia caminho para nós dois.
- Nossa! Isso parece grande. E o que aconteceu?
- O mesmo. – Disse isso com um sorriso meio irônico - Fui abandonada, esquecida, traída, traída de novo e traída mais uma vez. Depois fui abandonada de vez.
- Você devia ver isso como algo bom. Quer dizer... Idealizamos demais as coisas. O amor talvez seja o mais idealizado de todos. Você espera encontrar alguém que te ame e nunca erre. Mas as pessoas erram. As pessoas não são perfeitas. Sabendo disso você deveria está preparada pra qualquer coisa.
- Eu sei que as pessoas erram. Por isso dei tantas chances e tantos perdões . E honestamente, eu esperava qualquer coisa dessa segunda paixão. Acho que ele podia fazer qualquer coisa e ainda assim, eu não me surpreenderia.
- Mas então?
- É que eu acabei amando ele demais. Amando mesmo, sabe? E o amor traz junto de si essa espécie de esperança. Fé, comprometimento...  Ele abre as portas fechadas, desaba com os muros. Nos despoja das armaduras. Nos faz confiar. Nos deixa desprotegidos.
- Você se desarmou.
- Isso!  E mesmo esperando qualquer coisa eu confiei que havia mais ali. E que por “esse mais”, ele não erraria tanto.
- E agora você acha que não havia esse “mais” pra ele?
- Eu não sei. Passei um tempo achando que sim e outro bom tempo achando que não. Hoje não sei... Hoje me vejo como uma história bonita para ele, importante, mas não real. E ele tem vida real.
- Então veja ele assim também. Como uma história dessas que a gente conta pras crianças dormirem. Vire a página. Escreva novas histórias, mais bonitas, mais reais.
- Não é tão fácil. Quando ele saiu deixou tudo revirado. Tudo destruído dentro do meu peito. E eu queria que voltasse.  Por fim fiquei sem saber se voltaria ou não. Não fechei a porta. Deixei entreaberta. Esperei muito. Foi um longo processo até resolver trancar ele do lado de fora. E ao fazer isso...
- Você se trancou do lado de dentro.




7 comentários:

  1. "Ele abre as portas fechadas, desaba com os muros. Nos despoja das armaduras. Nos faz confiar. Nos deixa desprotegidos". Pura verdade isso, me lembrou aquela frase que diz que o amor é uma flor bela mas você deve ter a coragem de ir colhê-la a beira de um precipício... É o "preço" que se paga, é preciso se desarmar, pois sem isso não há como conhecer a beleza do amor, as boas sensações que ele proporciona.... sem isso não há amor....

    Lindo texto Juh! ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo comentário, nao conhceia essa frase s serobre o amor ser uma flor bela que se tem que pegar na beira do precipício, faz todo sentido!
      Obrigada Mantha

      Beijos

      Excluir
  2. me lembrou um episódio de Greys Anatomy . Amar as vezes se torna um vício . Ficamos viciados em esperanças...De que nosso amor , aquele verdadeiro que a gente sente seja suficiente pra realizar qualquer milagre .
    "É chocante perceber quantos tipos de vícios existem. Seria muito fácil se fossem apenas drogas, bebidas e cigarros. Eu acho que a parte mais difícil de querer largar o vício é realmente querer largá-lo. Digo isso porque a gente se vicia por um motivo, certo? Às vezes (muitas vezes), as coisas começam como uma parte normal de sua vida até que uma hora cruza a linha e se torna obsessiva, compulsiva, fora de controle. É o barato que nós procuramos, o barato que faz todo o resto sumir. O lance sobre o vício é que ele nunca termina bem porque, com o tempo, o que quer que deixava a gente no barato para de fazer nos sentirmos bem e começa a machucar. Ainda assim, dizem que você não larga o vício até chegar no fundo do poço. Mas como saber que você tá lá? Porque não importa o quanto algo nos machuca... às vezes se livrar dele dói mais ainda.

    É bem assim, o amor nos machuca, mas se livrar dele dói mais ainda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc nao imagina o tanto que eu amo Greys! Fiquei refletindo sobre essas palavras que fazem todo sentido.
      E fiquei me perguntando: como se livra do amor? Parece estranho, nao é? Como se amar fosse algo mal, sei lá... Sao processos eu acho, processos de perda e descobertas. No fim acho que aprendemos ao menos a nos proteger melhor. A nao confiar, a nao desistir da armadura.

      Beijos

      Excluir
  3. Respostas
    1. Esse é um bom comentário.
      Diz muito esses 3 pontinhos...

      ;)

      Beijos

      Excluir
  4. Oi! querida Juliana, lindo o seu texto, achei seu blog pelo tema. Neste exato momento estou tentando "deixar o amor de fora e trancar me trancar pelo lado de dentro!" Mas não é tão simples assim, o amor é como um rio, que flui o tempo todo, o amor permanece em nós. Acabei de ser traída, humilhada, abandonada. E ainda presenciei aquele que acho ser o meu amor, feliz da vida com outra na minha frente! Depois de tantas promessas, de uma vida incomum e tudo parecia perfeito! Estou dilacerada, é uma dor que parece não ter fim! Mas a cada hora descubro que Deus o permitiu, pq se foi capaz de faze-lo (trair) é pq não merecia meu amor! Triste por ele que me perdeu! Agora tenho o tempo como aliado, sei que vai passar...sei que ficará tudo bem! Assim como pra vc querida tudo vai se ajeitar. No tempo de Deus! Bjos!

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados