27 de jan de 2012

Amnésia Seletiva


  
Queria falar como se deu o adeus,
Juro que tremula minha mão
Ante a ideia de fazer tal narração
E contar como recuperei os voos meus!

Escreveria tantos receituários,
Espalharia por todo lado a cura,
De uma suposta amargura
E dos sofrimentos diários.

Mas como falar do que nem sei?
Será reação adversa ao tratamento,
Pois vencido tal tormento
Já não lembro porque chorei?

Parte da minha vida se apagou.
Confesso a amnésia seletiva
E mais do que nunca me sinto viva
Seja o que foi... Já passou!


*´¨)
¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•`ღ*

13 comentários:

  1. Juliana...

    falas levemente desse sentimento tão profundo... suas palavras tem música...

    adorei !!!

    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sol

      Vindo de vc essas palavras tao lindas
      sao como um OSCAR pra mim!rs

      Milhoes de beijos

      Excluir
  2. Respostas
    1. Graças a Deus! Graças a Deus...

      Milhoes de beijos

      Excluir
  3. A vida é feita de etapas...
    A próxima vai voltar a ser a do sorriso!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. Tenho bastante amigos aqui no seu blog
    eu adorei conhecer você e já estou te seguindo.
    São lindas suas postagens .
    Um lindo Domingo beijos no coração.
    Evanir..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei feliz por ter vc aqui comigo.
      :)

      Seja bem vinda Evanir

      Milhoes de beijos

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Oi Juliana,
    Estou com endereço novo do meu blog, e convidando os seguidores novamente, pois perdi os que tinha.
    Posso te esperar?
    Bjos

    http://poesia-espiritual.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode sim!

      Assim que der estarei por lá admirando a poesia.

      Milhoes de beijos

      Excluir
  7. Como falar de esquecimentos,
    Se quem me lembra é a cabeça
    Porque no peito o sentimento
    Além de qualquer tormento
    Abriga quem nele se mereça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Guilherme

      Bonitos teus versos.

      Meu peito salvo da morte
      Orgulha-se de dizer:
      Tao grande é a minha sorte,
      Salvo da decepçao
      nao abrigo mais ninguém
      Cuido de sobreviver.

      Milhoes de beijos

      Excluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados