5 de dez de 2011

Da dor que abate a Lira


Não cabe mais nesse peito.
Encontrei a medida certa.
Minha alma está coberta
E jaz em seu próprio leito.

Foi-se o sonho, a poesia.
O canto que me embriagava.
O eterno que esperava.
E a pessoa que fui um dia.

Tudo desfeito por mentira.
O que a vida quer de mim?
Que seja a loucura meu fim?
Que se emudeça a Lira...

Desfez-se em azar a sorte!
“Dê o passo que falta e
Apague pra sempre a vela”
Sussurra pra mim a Morte.

*´¨)
¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•`ღ*

4 comentários:

  1. como é bom te ler, sempre doce e apaixonada...bjs

    ResponderExcluir
  2. Saudades amiga!
    Quanto tempo hém!Vc deixou de visitar os amigos oh! Fazes falta...
    bjs para aquecer teus dias!

    ResponderExcluir
  3. Desistir... nunca!
    Não dou essa alegria a quem possui... a quem nos esmaga!

    ResponderExcluir
  4. Morri sem saber morrer.
    Vivi sem saber amar.
    tua letra é a poesia
    de um coração em agonia
    que por destino irá parar.

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados