13 de mai de 2011

Medo...

"Não tenho medo nem de chuvas tempestivas
nem de grandes ventanias soltas,
pois eu também sou o escuro da noite."
Clarice Lispector
De não ver mais teu sorriso.
Teus olhos pra sempre fecharem.
E ainda me reprovarem
Por ter ignorado o aviso.

Medo de ser louca sozinha.
De nunca teres sentido,
De nunca teres querido,
Unir os nossos caminhos.

Medo de não ter sido nada,
Enquanto pra mim és tanto!
Que eu nunca sei o quanto,
Tem de ti nessa jornada.

Medo! Eu Tenho sim...
De não ver mais o teu rosto,
De nunca provar o gosto,
Dos teus lábios junto a mim.

Juliana Lira

3 comentários:

  1. Quando o medo nos domina a poesia acaba, mas a ausência total do medo também implica riscos.
    abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá Sandrio

    Minha poesia já chegou tao perto de acabar tantas vezes, que já creio nessa possibilidade. :)
    Em verso ou prosa a gente segue em frente, mesmo que de vez em quando der vontade de correr pra o que deixamos pra trás. rs

    Bom ter vc aqui!

    Milhoes de beijos

    ResponderExcluir
  3. Corrigindo

    Ops: que já NEM creio nessa possibilidade

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados