30 de mar de 2011

Sobre [DES] AMAR


Sempre fiquei admirada das pessoas que têm a capacidade de esquecer “indolormente”. E pensava: Caramba! Quando eu crescer quero ser assim.
Admiro esse desprendimento, sabe? Em um dia amar para todo sempre e amém. E no outro: bola pra frente, a vida continua e nem uma dorzinha! Um soprinho na ferida e tcharaaaaan... É como se nunca tivesse acontecido.
Nasci com defeito. Em mim faltou o botão de desamar, sinto uma falta desgraçada dele. Já o procurei por todo o meu corpo, saí apertando tudo quanto era botão e puxando tudo quanto era cabo pra ver se encontrava o desgraçado. Mas faltou.
Tive uma amiguinha na infância que eu ADORAVA, éramos inseparáveis. Belo dia ela veio me contar que seus pais iam mudar de cidade. Eu chorei um rio de lágrimas, ela deu uma batidinha nas minhas costas e disse: Você vai conhecer outras pessoas.
Fiquei espantada! Quanto desprendimento... Perguntei se ela não estava triste, ela disse: “Jujuba, imagina quantas coisas novas eu vou encontrar!” Fiquei feliz por ela, mas continuei triste por mim. rs Ainda fico tristinha só de lembrar. O que é PESSIMO! Aposto que ela pode até se lembrar de minha doce pessoa rs, mas é com alegria. E eu ainda sinto saudade.
É a falta do tal botão! Não sei desamar, não sei deixar pra trás. Eu sigo em frente e vou ser feliz. Mas acho cada pessoa tão incrível e insubstituível, ninguém é igual a ninguém, como faz pra por outra pessoa naquele exato lugar? Pra mim não tem como.
Pena eu não acreditar em reencarnação! Se existisse e eu fosse passar de novo na fábrica eu ia exigir esse botão e como eu já ia estar na fila mesmo... Que botassem também o botão do esquecimento, da autopreservação, das respostas imediatas... Ah e não poderia esquecer o botão do dane-se! Esse me faz uma falta danada...

Juliana Lira

11 comentários:

  1. Olá, Juliana!
    Pois é... Existem pessoas com esse botão. Em alguns momentos ele é bom, mas as vezes é melhor nem tê-lo mesmo.
    Espero que você supere o que sente em relação a este amor. ^^
    Amei seu blog. Você escreve muito bem. Parabéns.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Ju querida,
    sim um pouco de nós sempre fica,mas fica um pouco de tudo em nós, e que bom que é assim como diz Drummond: " de tudo fica um pouco".
    Fico muito feliz em saber que dentro de ti tem um pouco deste meu ser que tenta aprender a engatinhar, a celebrar a vida com a própria vida.A olhar o ser humano como ser humano. Obrigado ju por está comigo neste itinerário da vida.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Que lindooo teu blog!!
    Voltarei mais vezes pra te ler :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. lindo dia desses vou copiar pra por no meu pode?!?!?!
    bjokas linda otima quinta!

    ResponderExcluir
  5. Joéliton dos Santos

    Fico feliz que tenha gostado. Escrever bem é uma longa caminhada e eu ainda estou engatinhando rs. Mas um dia...
    Espero que volte!

    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
  6. Sandrio

    É sempre bom ter vc por aqui. Uma vez uma pessoa me disse que havia mais dela em mim do que eu supunha... Era verdade!
    Fica muito de quem amamos dentro de nós.
    Conte comigo se precisar poeta!


    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
  7. Pri

    É proibida a cópia de qualquer texto sem prévio aviso.
    No entanto, vc tem autorizaçao desde que cite a fonte. Ok?
    Fico muito feliz que meus escritos toquem vc. :)

    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
  8. Patrícia

    E eu ficarei esperando ansiosa que volte!
    Minha casa, tua casa...

    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
  9. Ju, se vc tem esse defeito, eu tenho também pq tb nao consigo ser assim desprendida.

    ResponderExcluir
  10. Desa

    Ser “desprendido” é bom! O desprendido não sofre com o adeus.
    Não fica preso em uma lamentação sem fim.
    Ser desprendido é um sonho! Quisera eu ser desse modo...

    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
  11. Juliana depois que passei por uns momentos triste na vida aprendi a desprender, para me sentir bem pessoalmente era preciso, foi um do maiores aprendizado da minha vida, pois não me achava capaz de tal.

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados