28 de jul de 2010

Sobre o encontro de dois pássaros II

 Escrito por Juliana Costa de Lira

Em uma tarde comum, tão rotineira como qualquer  outra...
Houve um acaso.
Por acaso dois pássaros cruzaram o mesmo céu, pousaram no mesmo jardim, cantaram na mesma janela...
E o que poderia ser apenas um acaso de fim de tarde, transformou-se num canto sublime, carregado de poesia.
Pássaros iguais, feitos do mesmo molde, senhores e donos das terras vastas de seu peito, rodeados de muralhas, grossas muralhas!
Um deles já ferido em sua asa ou seria em sua alma?
Tão iguais e tão diferentes como dia e noite...
Um sempre fazendo voos transgressores, o outro seguindo as linhas retas, sempre retas.
Como leão e cordeiro, sol e lua...
E tão inesperado como o encontro foi o adeus! Tão inesperado que até hoje não se sabe precisar, com exatidão:
Quando foi o adeus? O que causou o adeus?
Teria sido o fato de suas essências se misturarem a tal ponto que o transgressor passou a seguir reto e o sempre reto segue transgressor?
Eles que faziam manobras inacreditáveis,e encantavam a todos que os vissem, sabiam desde o primeiro instante,desde o primeiro rito e canto, que haveria um fim.
Há exatamente um ano, havia um pássaro em minha janela, deixei- o pousar e cantar lindamente suas canções, mas ele partiu e eu não pude impedir...
Prometi deixa-lo, quando ele assim quisesse, além do mais é um pássaro selvagem, me feriria de morte se tentasse prende-lo a mim...
A história foi perfeita e hoje o pássaro segue voando por outras partes do nosso céu.Sim, porque o céu segue sendo nosso.
A saudade que é apenas minha...


Aqui o início dessa história

10 comentários:

  1. Finalmente nos deu o ar da graça de novo e com um lindo texto! Volta triunfante! Gostei muito! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. ...olá minha lindezura!

    quer dizer que um dos passarinhos
    resolveu bater as asinhas para outras
    janelas, outros mundos?

    que bom que entendestes de pronto
    que ngm nos pertence de fato e de
    direito, e assim deixastes de
    sofrer por nada.

    tomara que nesta janela junto
    a tí, pouse um lindo colibrí
    te fazendo festas com o colorido
    do amor.

    mil bjs

    ResponderExcluir
  3. As vezes temos que deixar livre os passarinhos e se eles batem as asinhas para outros lados o jeito e entender e seguir em frente...
    Adorei a história amiga
    vc escreve muito bem
    :)
    Obrigada pela visita no meu e pelo carinho de sempre
    vc eh uma simpatia...
    até gosta das "coisas" estranhas que eu escrevo...
    hehehe
    Então, seu cabelão é perfeito para um babyliss
    deve ficar um arrazo!
    Boa noite pra vc amiga
    beijos na alma!

    ResponderExcluir
  4. das palavras escritas
    resta o silêncio
    e o despir-se
    para encontrar o teu poema

    ResponderExcluir
  5. so sente saudades quem viveu intensamente os momentos lembrados.
    saudade é coisa de gente grande...!

    um beijo carinhoso !

    ResponderExcluir
  6. Heee, Juh...!!!!
    Você é linda em suas palavras.
    E todos sabemos, que os pássaros vão e vem, quem sabe ele volta.
    Perfeito tudo aqui.
    Grande Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Ju, que triste ler isso, é triste quando o pássaro tem que ir embora mas espero que esteja tudo bem contigo!

    E como vc pode ter escrito tão bem minha história mesmo eu sendo apenas um desenho? kkkk....vc perguntou se acertou? totalmente!
    Adoro vc, fique bem tá!

    ResponderExcluir
  8. Querido se partiu, é porque não merecia estar no seu jardim.
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  9. Juliana,
    ler você é encher a boca d'água, saborear...

    um cheiro grande,
    do seu homem-e-menino

    Jesus na frente...

    ResponderExcluir

Me conta tua impressão sobre o que leu, que eu te conto o que tua impressão me causou.

Posts Relacionados